Aleitamento materno, introdução precoce de leite não materno e excesso de peso na idade pré-escolar

Estudo conduzido por Nascimento et al investigou as relações existentes entre excesso de peso em pré-escolares, duração do aleitamento materno e a idade de introdução de leite não materno. Para isso, foi realizado um estudo transversal de amostra representativa de 817 pré-escolares, de 2 a 4 anos de idade, de creches municipais da cidade de Taubaté, São Paulo. O peso e a altura das crianças foram mensurados nessas creches em três anos consecutivos. Pelo calculado do escore z de Índice de Massa Corporal (zIMC), as crianças foram classificadas como risco de sobrepeso (zIMC≥1 a<2) ou como excesso de peso (zIMC≥2) e a análise dos dados foi feita por comparação de proporções, coeficiente de correlação e regressão linear multivariada.

O estudo mostrou uma prevalência de risco de sobrepeso de 18,9% e de excesso de peso (sobrepeso ou obesidade) de 9,3%. A mediana de duração do aleitamento materno e a idade de introdução do leite não materno foi de 6 meses. O zIMC da criança evidenciou correlação direta com o peso ao nascer (r=0,154; p<0,001) e com o Índice de Massa Corporal (IMC) materno (r=0,113; p=0,002). A correlação foi inversa com a duração total do aleitamento materno (r=−0,099; p=0,006) e a idade de introdução de leite não materno (r=−0,112; p=0,002), não havendo correlação entre o zIMC da criança com o seu comprimento ao nascer, duração do aleitamento exclusivo e idade da mãe.

Esses achados reforçam a importância da introdução de alimentos complementares após o sexto mês de vida conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde, pois segundo o estudo, quanto mais precoce a introdução de leite não materno, maior a correlação com excesso de peso na idade pré-escolar.

LEIA MAIS

REFERÊNCIA:
Nascimento, Viviane Gabriela et al.
Aleitamento materno, introdução precoce de leite não materno e excesso de peso na idade pré-escolar.
Rev. paul. pediatr. [online]. 2016; 34 (4): 454-459. ISSN 0103-0582